A demanda global por petróleo poderá atingir seu pico em 2024, se houver mais ganhos de eficiência em veículos, maior penetração de carros elétricos no mercado, menor crescimento econômico e preços mais altos de combustíveis, disse o Goldman Sachs em um relatório sobre a indústria de refino nesta segunda-feira.

A expansão econômica nos mercados emergentes, liderada pela Índia, pode evitar que o pico seja atingido antes de 2030, mas o crescimento da demanda ainda deve diminuir durante a próxima década, devido a melhorias em carros e caminhões e o maior uso de veículos elétricos, disseram analistas de pesquisa do banco de investimento.

A frota de carros elétricos global, por exemplo, deverá crescer mais de 40 vezes para 83 milhões de veículos até 2030, ante 2 milhões em 2016, disseram os analistas.

"Em nosso caso extremo, nós projetamos a demanda máxima por petróleo em 2024", disseram os analistas Goldman.

Goldman Sachs projeta o crescimento anual da demanda por petróleo entre 2017 e 2022 em 1,2 por cento, desacelerando para 0,7 por cento em 2025 e para 0,4 por cento em 2030. A demanda por petróleo cresceu a uma taxa média anual de 1,6 por cento entre 2011 e 2016.

Durante o período até 2030, o setor de transporte contribuirá menos para o crescimento da demanda por petróleo. Os petroquímicos deverão se tornar mais centrais, embora com mais matérias-primas provenientes de fora do sistema de refino.

Já a fatia detida pela gasolina e do diesel na demanda total por petróleo deverá estagnar entre 2016 e 2030, segundo o Goldman.

Fonte: Reuters