Obra defendida pela indústria do petróleo deve começar em 2017, com prazo de 1 ano de execução



Representantes da Comissão da Firjan, IADC, Abespetro, CVB, ACIM, Rede Petro e GEM visitaram ontem (25) novo terminalRepresentantes da Comissão da Firjan, IADC, Abespetro, CVB, ACIM, Rede Petro e GEM visitaram ontem (25) novo terminal
A Infraero lançou nesta semana o processo licitatório para a realização das obras de manutenção e reforço da pista do Aeroporto de Macaé, o que deve garantir segurança para operações de aeronaves ATR-72, que promovem hoje a integração entre os aeroportos regionais brasileiros, através dos voos comerciais.

A informação foi repassada ontem (25) pelo superintendente do Aeroporto de Macaé, João Pedro Aparecido Romano, aos representantes das instituições empresariais que atuam junto a cadeia produtiva do petróleo.

A previsão é que a concorrência pública seja efetivamente realizada em duas semanas. A definição da empresa responsável pela obra, assim como a assinatura do contrato de realização das intervenções, devem ocorrer ainda neste ano.
Com o lançamento da licitação, está garantido pelo governo federal o aporte de R$ 32 milhões para a Infraero realizar as intervenções na pista. O dinheiro faz parte do programa reeditado pela gestão do presidente em exercício Michel Temer (PMDB), para revitalização de aeroportos regionais.

A previsão é que a obra seja realizada no prazo de um ano, definido de acordo com as condições do terreno e da logística que será realizada durante a execução do projeto, que não pode interferir nas atuais operações dos voos offshore.
Com a realização da reforma, a pista de 1.200 metros de extensão e 30 metros de largura, aumentará o PCN de 7 para 19, garantindo assim condições seguras para operação de aeronaves com capacidade para até 70 passageiros, semelhantes as utilizadas pela Empresa Azul, líder das operações em aeroportos regionais no país.

O PCN (Paviment Classification Number) é uma sigla em inglês que define o grau de segurança para a operação de aeronaves. Hoje, a classificação da pista do Aeroporto de Macaé não permite mais pousos e decolagens dos aviões que promovem os voos comerciais no país. A notícia foi comemorada pelos representantes das instituições que participaram da visita às novas instalações do terminal de passageiros do Aeroporto: Comissão Municipal da Firjan, Rede Petro-Bacia de Campos, Abespetro, IADC, Associação Comercial e Industrial de Macaé (ACIM), Convention and Visitors Bureou (CVB), SPE (Sociedade dos Engenheiros do Petróleo) e GEM (Grupo dos Empresários de Macaé).

Para o presidente da Comissão Municipal da Firjan, Evandro Cunha, a notícia chega em boas horas.
"Lutamos pelo desenvolvimento de Macaé e acreditamos que o Aeroporto é uma das principais bases para garantir o novo futuro da cidade", disse.
 
União pelo desenvolvimento
 
A visita realizada ontem (25) ao novo terminal de passageiros do Aeroporto consolidou a união de forças entre as instituições empresariais da cidade, com objetivo de garantir a construção de um novo ciclo de prosperidade para a região.
O encontro ajudou a registrar o posicionamento da indústria sobre a necessidade de Macaé garantir a consolidação de pautas importantes para o desenvolvimento local, como a construção de uma nova pista no Aeroporto de Macaé.

"Há 10 anos, o município doou uma área de 2 milhões de metros quadrados para que a Infraero construísse uma nova pista. Esse ainda precisa ser um dos nossos objetivos", apontou Cliton da Silva Santos, membro da Comissão da Firjan.
A expansão das operações do Aeroporto, como polo para a logística do petróleo, também foi reforçada por Gilson Coelho, gerente executivo da Abespetro.

"A reforma da pista e o retorno dos voos comerciais é primeiro passo para os avanços que Macaé precisa. A nova pista também é um objetivo a ser alcançado", disse Gilson. Para Leandro Luzone, líder do núcleo do IADC em Macaé, o Aeroporto é o ponto inicial da restruturação da economia da cidade e da região.

Autor: Márcio Siqueira O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Foto: Kaná Manhães