© Reuters.  Petróleo encerra semana em baixa com produção da OPEP aparentemente crescendo

Investing.com - Preços do petróleo encerram em baixa pela segunda sessão seguida na última sexta, fechando no nível mais fraco em cerca de uma semana pois o sentimento azedou em meio a indicações de que a oferta da OPEP deveria crescer, apesar do acordo do cartel de reduzir a produção.

O contrato com vencimento em setembro dopetróleo bruto West Texas Intermediate dos EUA perdia US$ 1,15, ou cerca de 2,5%, e era negociado a US$ 45,77 no encerramento do pregão na sexta-feira. Mais cedo durante a sessão, chegou a US$ 45,54, seu valor mais baixo desde 13 de julho.

Do outro lado do Atlântico, contratos de petróleo Brent com vencimento em setembro na Bolsa de Futuros ICE (ICE Futures Exchange), em Londres, recuaram US$ 1,24, ou 2,5%, e fixaram o preço de US$ 48,06 o barril no final do pregão após terem atingido US$ 47,81 mais cedo.

A queda acentuada de sexta-feira suprimiu os ganhos prévios ocorridos durante a semana. O WTI marcou uma queda de quase 1,7% na semana, após se manter no ritmo de marcar um ganho de quase 1,5% no mesmo período, ao passo que o Brent perdeu US$ 0,85, ou cerca de 1,8%.

O petróleo caiu na sexta-feira a PetroLogistics, empresa de acompanhamento de petroleiros, afirmar que a produção de petróleo de membros da OPEP deverá aumentar 145.000 por dia em julho em comparação ao mês anterior.

O aumento na oferta de petróleo levaria a produção a ficar acima de 33 milhões de barris por dia devido ao aumento da produção na Arábia Saudita, nos Emirados Árabes Unidos e na Nigéria.

As notícias surgiram antes da amplamente aguardada reunião de alguns ministros de petróleo de produtores da OPEP e externos à organização na Rússia na próxima segunda-feira, que se reuniram para discutir a conformidade com o pacto do cartel de cortes na produção.

Especialistas do mercado afirmam que os ministros provavelmente recomendarão manter a política de manter a produção em níveis atuais, mas esforços serão realizados para inserir a Nigéria e Líbia no quadro devido à recente recuperação que ocorreu na produção de ambos os países.

Em maio, a OPEP e alguns produtores externos à organização estenderam o corte de 1,8 milhão de barris por dia no abastecimento até março de 2018. Até o momento, o acordo tem tido pouco impacto nos níveis mundiais dos estoques devido à crescente oferta de produtores que não participam do acordo, como a Líbia e a Nigéria.

Enquanto isso, nos EUA, números semanais da Baker Hughes, empresa fornecedora de serviços de energia, mostraram que o número de sondas ativas extraindo petróleo teve redução de 1 e totalizou 764 na semana passada, sugerindo sinais iniciais de moderação do crescimento da produção doméstica.

A contagem é vista, normalmente, como um indicador da perspectiva de produção doméstica.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), contratos futuros de gasolina com vencimento em agosto perderam US$ 0,042, ou cerca de 2,7%, e encerraram em US$ 1,563 na sexta-feira. Na semana, fecharam em torno de 0,2% mais altos.

Contratos de óleo de aquecimento com vencimento em agosto encerraram em queda de US$ 0,028, ou 1,8%, cotados a US$ 1,515 o galão, encerrando estáveis na semana.

Contratos futuros de gás natural com vencimento em agosto recuaram US$ 0,073, ou 2,4%, para US$ 2,970 por milhão de unidades térmicas britânicas. Tiveram queda na semana em torno de 0,4%.

Na semana a seguir, investidores aguardarão o resultado da reunião de segunda-feira dos maiores produtores de petróleo para mais esclarecimento sobre como eles tentarão reduzir os níveis globais dos estoques.

Enquanto isso, participantes do mercado prestarão atenção nas mais recentes informações semanais sobre os estoques norte-americanos de petróleo bruto e produtos refinados naterça e na quarta-feira para avaliar a força da demanda do maior consumidor de petróleo do mundo.

Antes da semana que está por vir, a Investing.com compilou uma lista com estes e outros eventos significativos que podem afetar os mercados.

Segunda-feira, 24 de julho

Ministro de petróleo de produtores da OPEP e externos à organização se reunirão em São Petersburgo, na Rússia, para discutir a conformidade com o pacto de cortes na produção.

Terça-feira, 25 de julho

O Instituto Americano de Petróleo, grupo do setor petrolífero, deve publicar seu relatório semanal sobre a oferta de petróleo nos EUA.

Quarta-feira, 26 de julho

A Administração de Informações de Energia dos EUA deve divulgar seus dados semanais sobre estoques de petróleo e de gasolina

Quinta-feira, 27 de julho

O governo norte-americano deve divulgar relatório semanal da oferta de gás natural em estoque.

Sexta-feira, 28 de julho

A Baker Hughes divulgará seus dados semanais sobre a contagem de sondas de petróleo nos EUA.