palestra1

“Sair do lixão para o aterro sanitário ou para a usina de processamento de resíduos sólidos. Essa tem que ser a política dos municípios, dos estados e do governo federal, conforme a legislação brasileira e, também, da ONU, que preconiza investimentos para tratamento e destinação adequada do lixo”.
A declaração que marca a tônica de mais uma reunião do Grupo de Trabalho pró-redução de resíduos sólidos da Ompetro (Organização dos Municípios Produtores de Petróleo e Gás da Bacia de Campos), foi proferida pelo superintendente de Políticas de Saneamento da Secretaria Estadual do Ambiente, Victor Zeibil, na tarde desta quarta-feira (03), na sede da Prefeitura de Campos.
  
O secretário de Petróleo, Energias Alternativas e Inovação Tecnológica de Campos, Marcelo Neves, que presidiu a reunião, explica que “o objetivo das reuniões é para dar encaminhamento às ações integradas do Pacto Regional de Redução e Destinação dos Resíduos Sólidos, tendo em vista que devido ao crescimento do setor industrial e ganho de massa salarial nos municípios produtores de petróleo, é crescente a produção de lixo, tanto doméstico como industrial”. 
 
Zeibil advertiu sobre as obrigações das Prefeituras em desativar os lixões desde 2 de agosto deste ano e sobre a obrigatoriedade das empresas comercializadoras de produtos como agrotóxicos, pneus, pets, pilhas, baterias, telefones celulares  a montar logística para recolher estes produtos quando descartados para a devida destinação. Ele alertou sobre o prazo que as Prefeituras têm para iniciar o processo de licitação para os projetos do Plano de Saneamento Básico, assinados com a Agevap (Agência de Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul) 
 
Além do superintendente da Secretaria Estadual do Ambiente, Victor Zeibil, o secretário Marcelo Neves e o diretor de Inovação Tecnológica, Maurício do Vale, convidaram também o engenheiro Sérgio Carvalho, da Eco Four Business Brasil, para falar sobre alternativas para a destinação do lixo doméstico, do lixo industrial e hospitalar, inclusive dos detritos dos lixões, conforme explanou o engenheiro. A empresa instala usinas e presta consultoria na destinação de resíduos sólidos e também trata detritos de lixões ativos e desativados.
 
Após as informações repassadas por Victor Zeibil e pelo Secretário de Meio Ambiente de Campos, Zacarias de Albuquerque sobre o desenvolvimento das políticas públicas para a redução e gestão dos resíduos sólidos, respectivamente no estado do Rio e em Campos, todos os secretários e procuradores dos municípios de Niterói, São João da Barra, Rio das Ostras, Quissamã, Macaé, Casemiro de Abreu, Carapebus, Campos, Cabo Frio, Arraial do Cabo e Armação de Búzios seguiram para visita técnica ao Aterro Sanitário Ecológico e ao Centro de Educação Ambiental de Campos que funcionam no distrito de Conselheiro Josino, no setor Norte do município.
 
No local é depositado o lixo orgânico de Campos, São Francisco de Itabapoana, São João da Barra, Miracema e Laje do Muriaé. As autoridades conheceram as instalações que processa o lixo por decomposição natural, com extração do chorume e dos gases, com aproveitamento. Conheceram ainda as instalações que dão alta sustentabilidade ao Aterro, como as placas fotovoltáicas e acumuladores especiais, que captam e armazenam energia solar, bem como as bombas que utilizam essa energia para bombear água captada da chuva que é reservada em cisterna após processo de filtragem natural.